terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Tempo de recomeçar

A Sabedoria divina ensina que há um tempo para tudo: "de nascer e de morrer, tempo de chorar a vida, de sorrir e agradecer", entre outros tempos... Carlos Drumond de Andrade tem um texto muito lindo, no qual exalta a sabedoria de quem "fatiou o tempo", dividindo-o em ciclos que se encerram e recomeçam...
É fato que a gente não conseguiria "sobreviver" se o passar do tempo fosse só uma rotina enfadonha... Há que ter espaço para celebrar tempos especiais... Celebrar um novo ano é uma forma de resgatar tudo o que há de bom na vida e ter uma "nova chance" de "recomeçar"...

Recomecemos, então, pelo que temos de melhor e mais especial...

Chegamos ao final de 2013, não digo juntos, porque alguns se foram, mas, quem sabe, em um só coração - pelo menos os que, por vontade própria, permanecemos... E isso é muito especial!

Este foi um ano particularmente duro, pelas perdas sofridas... E, encerrando-se este ciclo, é certo que há muito a agradecer...
Gostaria muito de poder elencar o nome de cada um e as suas características mais queridas e delicadas, que vislumbro em nosso convívio... Fico com receio de ser traída pela distração, que acaba se impondo pelos que agora me solicitam e pela correria com que estou escrevendo este pequeno e último texto do ano...
Deixo isso então para depois, com calma, em outro texto...

Mas, além de ter muito a agradecer a Deus - pelas oportunidade de, vivendo, aprender; por tantas gentilezas e pequenos carinhos em minha vida que Ele coloca e que se fazem pela ação do outro - é tempo também de agradecer a cada um de vocês, pela proximidade do convívio, pelas alegrias e tristezas repartidas, pelas dores divididas e amenizadas por gestos e palavras.

O Pe. Giuliano nos dizia no domingo que, fundamentalmente, uma palavra sintetiza tudo o que é essencial na vida: amor. Mas amor que significa cuidado, ocupação com o outro - seja ele quem for.
Nada além disso pode expressar o que é a vontade de Deus para a vida de cada um, nem há outra forma de amar a Deus.
Simples assim...
Portanto, obrigada a todos, pelo esforço constante de que esse amor-cuidado seja vivido e preservado entre nós. Obrigado, Senhor, porque coloca esse sentimento em nossos corações. Obrigado, Senhor, porque, por Graça, ele tem sido buscado e acolhido.

2013 chega ao fim e leva com ele algumas durezas...
2014 chega, trazendo o que ficou de doçura e de suavidade do nosso convívio.

Traz também o que se perpetuou da memória de nossos queridos que se foram... Obrigada Cortez! Obrigada, Sr. Décio! Obrigada Verinha!. Obrigada, Luzia! Obrigada, Valdemar!

Traz ainda toda a animação e o amor do coração na melodia cantada... Obrigada Acir, Marilda, Áurea, Mário, Tati, Mantovani, Paulo, José, Edwin, Célia, Esqueda, Walter, Lippe, Salete, Arlene, Sidney, Carmo, Neide, Regina, Silvia, José Roberto, Izabel, Ivanilde, Valdir, Lopes, Moysés, Yara, Cláudia, Adair, Cida Troiano, Cida Faccin, Ivone, Ana, Américo, Alberto, Sueli, Lúcio, Osvaldo, Filomena... Vocês são para mim exemplo de empenho e de força de vontade!

Obrigada, Xico, pela perseverança e pelo esforço em sempre dar o seu melhor. Obrigada, Edson, que se achega mais e tenta encontrar espaço para, assim como seu parceiro Xico, devotar sua gratidão a Deus em forma de música.

Obrigada, Luci, pelos anos de talento dedicado, desejando que não os esconda e que encontre um lugar para exercê-lo.

Obrigada ainda, Pe. Giuliano, pelas homilias cheias de espiritualidade e pelo apoio silencioso e concreto, que nem todos percebem, mas que está sempre presente.

Valeu, 2013!
Que venha 2014 e que possa ter a leveza do amor de Deus impregnada em cada acontecimento e em cada coração que se deixa ser amado e se abre para amar.
Bem-vindo sempre, Amor-Cuidado!

Boas festas a todos e boas férias também!

Beijo a cada um.

Marly

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Missa na Clínica de Repouso Vanilla Dolce

Pessoal

por motivos de força maior, não haverá ensaio hoje (16).
Mas, na quarta-feira (18), cantaremos na Clínica de Repouso Vanilla Dolce.
A missa irá começar às 19h00, portanto, quinze minutos antes todos deveremos estar lá.
O endereço é R. Alfredo Ruiz, 18-62.
Usaremos o uniforme branco (calça preta).


quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Será que assim a gente consegue?

Diante de tantas dificuldades para cantar o Aleluia, será que se a gente fizer assim, resolve? rsss
É só trocar as plaquinhas em inglês para a língua portuguesa.

Divirtam-se!


quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Só em ti viver

Para ir ensaiando para domingo:





terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Recordar é viver!

O Coral em uma palavra...
Recorte de nosso vídeo comemorativo dos dez anos.
Se você não pôde participar daquela gravação ou acha que ainda faltou uma palavra, escreva-a nos comentários.


sábado, 7 de dezembro de 2013

Enfim, maioridade!!

Quem diria que, um dia, aquele pequeno grupo de animação musical chegaria a celebrar 21 anos de cantoria...
Completamos maioridade...
Mas afinal, maioridade em que?
Olho para o começo de tudo e vejo que vivenciamos juntos muitas e muitas coisas. Das mais leves, engraçadas e amorosas até as mais sérias e difíceis...
Em plena maioridade, vejo agora, mais do que nunca, que estar no grupo sempre foi, ano após ano, uma escolha consciente de cada um... Os que permaneceram escolheram se fazer UM com o outro, escolheram superar os desafios dos relacionamentos, procurando um entendimento fraterno quando por ventura o outro extrapolou limites... Ficaram os que souberam ceder, perdoar, buscar em si entusiasmo para oferecer quando outros estavam desanimados... Enfim, estar no grupo foi uma escolha em vivenciar o amor pelo próximo, sendo fácil ou difícil, entregando um pouco ou o muito de si, para que o finíssimo fio de ouro que tricota nossas vidas permanecesse intacto e resistente em todos os momentos.
Assim foi até os últimos momentos com os nossos queridos que partiram para o Pai. E minha fé e meu coração me dizem que eles eternizam no céu o que escolheram nesta vida... Ainda cantam conosco, certamente...
Para mim, pessoalmente, o ano de 2013 foi o mais difícil de todos os outros, desde 1992... Dentro do grupo, foi um tempo de duras separações, imensas saudades e de penosos aprendizados...
Mas – e ainda bem, neste caso, tudo tem um mas – em  família foi um ano de linda e delicada alegria, com a chegada de nosso neto... Deus é mesmo muito, muito delicado com cada um de nós e reinventa a vida a cada segundo, sem desamparar ninguém... É preciso ter olhos de ver...
Penso que essa é a maior lição deste ano para mim. Aprender e reaprender onde colocar os olhos, prestar atenção no que, realmente, vale a pena nesta vida. Tentar sempre, lutar por conseguir e perseverar para permanecer no amor...
Mesmo que, às vezes, possam parecer intrigantes ou desconcertantes as escolhas que tenho feito no meu viver - em grupo e em família - podem estar certos, tenho seguido e perseguido ser amor.  Mas não há mais tempo a perder com o que não é realmente importante, com vaidades pessoais, com destemperos imaturos, com pretensas verdades que se pretenda impor, com joguinhos e subterfúgios... A maioridade me ensinou que não há nada mais importante que a união, a caridade, a amorosidade, a presença - mesmo que seja de certa distância... - quem se sabe amado sabe também com quem pode contar.
Festejando nossos 21 anos, só posso desejar em meu coração que nada nem ninguém possa atrapalhar o que um dia Deus pensou para realizarmos juntos. Que nossas escolhas sejam feitas dentro da vontade do Pai e não na nossa. Que nossos olhos e corações repousem no que é de Deus e a Ele cantemos, enquanto pudermos, toda glória.

Para curtirmos com calma, segue o vídeo que assistimos em nosso jantar.


sábado, 9 de novembro de 2013

Agradecimentos

Pessoal
recebi hoje esta linda mensagem da Ana Maria Daibem, que transcrevo a seguir.


Caríssima Marly e todos os participantes do Coral
   
    Nossa família agradece a vocês pela presença na Missa de sétimo dia de Isaías. Foi uma bela surpresa que, em meio a dor e a saudade que sentimos, nos trouxe um alento abençoado.
    Me lembrei das inúmeras vezes que Isaías se aproximava do Coral, ficava apreciando e aplaudia. Somos imensamente gratos pelo gesto carinhoso de vocês, que com certeza mais uma vez ele aplaudiu. 
    Os cantos e a mensagem lida nos envolveram num sentimento de Paz que somente o AMOR de DEUS é capaz de gerar.
  Continuem sendo arautos da FÉ, da ESPERANÇA e do AMOR, para que o Evangelho concretamente ilumine a caminhada de todos que têm o privilégio de conhecê-los e conviver com a preciosa missão que realizam.
   Abraça-os em nome da família, 

Ana Maria

terça-feira, 5 de novembro de 2013

Amizade viva! Viva a amizade!

Recebi do querido Cláudio (da Wanderly), que já foi integrante do nosso coral, uma linda homenagem ao Valdemar, em forma de poema.
Quanta delicadeza, querido amigo!
Lindo sinal de que as amizades que verdadeiramente fazemos são imorredouras.
Muito obrigada!


Lembranças ficaram

No ponto de taxi
Lá ele esperava
Mais uma corrida
E o pão de cada dia ganhava 

Muito simples e educado
A vida assim conduzia
Sua saúde exigiu, passasse por cirurgia.
Estava abalado, acreditava que não resistiria 

Sendo bom amigo
Por todos foi incentivado
Não conseguiu ser bem  sucedido
E deste mundo foi levado.
 
Lembranças ficaram
De sua participação no coral
Também de sua vida exemplar
Mas temos certeza
Que Waldemar Mateus
Está descansado em paz junto a Deus.
 

domingo, 27 de outubro de 2013

Verinha: um ano!!!

   Por incrível que possa parecer, já faz um ano que a Verinha se foi!
   Há um ano começava uma espécie de "perdas em sequência", que tanto nos marcaram e marcam.
   Ficaram, no entanto, a essência do que foi vivido e partilhado entre nós, o exemplo e a coragem da Verinha no enfrentamento de sua doença, o empenho de cada um para que os momentos de dor e aflição fossem suavizados, como a dizer-lhe "nada podemos, mas estamos aqui, estamos junto e a amamos".
     Isso jamais passará ou se perderá. Doce lembrança...
     Continue cantando conosco, querida!













   

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

EMEI inaugurada!

 
       Os que pudemos, fomos à inauguração da EMEI Luzia Maria Daibem Ferraz de Arruda solidariamente junto ao Hélio e seus filhos.
          A escola é mesmo muito linda!
          Que nela reine a mansidão, simplicidade, aplicação, competência e amor à educação que sempre vimos em nossa amiga querida e que naquele local se honre o seu nome!
           Para quem não pôde ir, alguns "cliques".
 










quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Linda homenagem!

Recebemos um convite pelas mãos do Rafael, para testemunharmos uma homenagem à nossa queria Luzia.
A partir de amanhã, uma escola receberá o seu nome, que tanto honrou e dignificou a profissão de educadora.
Que todos aqueles que possam comparecer, estejamos lá para festejar junto com o Hélio e seus filhos a alegria desta justa homenagem.
Segue-se o convite, com o endereço e horário.


Para quem precisar de um mapa, segue-se um dos trajetos possíveis.


quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Para quem está com saudades...

Pra quem está com saudades de ver o Marcelo cantando o salmo...


quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Alegria, ontem...

Depois de um descanso que eu estava precisando, voltar é uma grande alegria... Especialmente porque encontro vocês me contando como foi bom o entrosamento e o companheirismo de todos no domingo, quando tocar e comandar ficou a cargo do Xico.
Nada me encanta mais do que essa firme disposição de todos em estar juntos seja como for.
Que alegria encontrar cada um e dar um abraço... parecia que estávamos longe muito mais do que uma semana...
Amo estar com vocês e fazer o que fazemos juntos.
Saudades ainda daqueles que não puderam estar no ensaio...
Já, já, isso se cura...
Obrigada, amigos, por partilharem suas vidas e seus corações.
Amo vocês!

E domingo tem missa no Bosque!
Uniforme cinza para as mulheres, listras e manga comprida para os homens.
Até lá!

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Missa de Setor

Nesta terça-feira estaremos na casa da Juliana e Márcio, no condomínio Estoril V, para animar a missa de setor que acontece na casa desse jovem casal.
A seguir, as músicas programadas, para que vocês se preparem.

  53- Deixa a luz do céu entrar
437- Canto penitencial
  80- Glória
491- Aleluia (aclamação)
594- Se o grão de trigo (ofer.)
834- Santo
845- Shalom, a paz de Jesus  
585- Cordeiro
373- Não sou digno
256- A força da Eucaristia (com.)
  68- Estás entre nós (pós-comunhão)
164- Tomado pela mão

Próximo domingo
804- Senhor, quem entrará?
437- Canto penitencial
424- Glória a Deus nos altos céus
113- O Evangelho é Deus falando (aclamação)
122- A Palavra de Deus (ofer.)
425- Santo é o Senhor
581- Shalom chaverim – A paz de Jesus  
585- Cordeiro
555- A quem iremos?
  75- Faz de conta
222- A Bíblia

terça-feira, 10 de setembro de 2013

Tudo muda...

Li somente um único livro de Guimarães Rosa e já se vai longe o tempo em que isso se deu... Ainda estava na adolescência e só podia entendê-lo com minha mente juvenil.
Fiquei encantada com uma coletânea de frases dele que encontrei agora e compartilho-as com vocês, bem como o vídeo que se segue, que trata da fluidez dos acontecimentos.

“Deus nos dá pessoas e coisas, para aprendermos a alegria... Depois, retoma coisas e pessoas para ver se já somos capazes da alegria sozinhos... Essa... a alegria que ele quer” (Guimarães Rosa).

Então tem sido assim ultimamente... Tendo aprendido a alegria pela vida afora, alguns momentos têm sido teste para ver se já consigo ser alegre sozinha, no dizer de Guimarães Rosa...
 
Tem sido difícil, nos últimos tempos, viver a alegria. Ela tem sido quase um empenho, um propósito buscado com esforço, porque mesmo que meu coração não entenda todas as perdas que temos sofrido, minha razão sabe que é preciso ir em frente e que o melhor da vida está nas pequenas coisas, nos pequenos gestos, nos pequenos milagres que acontecem desde que abrimos os olhos pela manhã, na vida que renasce e floresce no meu jardim, no sorriso do meu neto e em tantos outros gestos queridos que recebo de vocês e dos meus...

“O importante e bonito do mundo é isso: que as pessoas não estão sempre iguais, ainda não foram terminadas, mas que elas vão sempre mudando. Afinam e desafinam” (Guimarães Rosa). 

Talvez, por estar mudando, porque tudo mudou à volta também, eu venha "desafinando" um pouco... Sei que não tenho sido muito boa companhia e que não estou desempenhando a contento o que sempre me propus a fazer junto com vocês...

“As coisas mudam no devagar depressa dos tempos” (Guimarães Rosa).

Não tenho e nunca tive pretenção de que as coisas permanecessem sempre iguais, não sou apegada à mesmice, mas têm acontecido mudanças demais... E fundamentalmente, perdas demais... afff...
E desta vez os tombos vieram muito seguidinhos, mal estava me equilibrando de um veio outro e outro e outro...

“O correr da vida embrulha tudo. A vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem..” (Guimarães Rosa).

Se vocês não fossem UM comigo, certamente estaria bem pior do que estou, por isso só tenho a agradecer a vocês todos e dar graças ao Senhor por tanto amor que tem colocado e sempre colocou em minha vida. É esse amor que me dá forças e coragem para, diante das tristezas, buscar com afinco a alegria, que sempre foi e é, na verdade, uma parte da minha essência.

“Digo: o real não está na saída nem na chegada: ele se dispõe para a gente é no meio da travessia”  (Guimarães Rosa).

O vídeo é bem interessante, espero que gostem...
Escutem depois, com "novos ouvidos", a música que se segue ao vídeo, na voz de Ir. Miria Kolling.




 


terça-feira, 3 de setembro de 2013

Sempre juntos!

   Costumávamos cantar essa música em casamentos, mas, ao ouvi-la, hoje, pensei que ela bem pode traduzir como temos caminhado nesses 21 anos.
   Este ano, a celebração de nossa maioridade não teve o sabor de sempre - de alegria - pois amargamos duras perdas...
   Mas a vida pede continuidade, vigor e disposição, então seguimos caminhado na disposição de continuarmos juntos semana após semana, ano após ano...
  A vida, essa linda, nos apresenta agora uma proposta diferente...
  Repartindo nossas dores e alegrias, sigamos, dedicando nossas vidas a Deus...
  

  A gravação foi feita há muitos anos... No violão, Carla. No teclado, Richard.




 
339- Juntos
 
M: Deus mesmo planejou a nossa união.
Findou-se nossa solidão e juntos somos um.
H: Por onde quer que vás, tu hás de me abrigar.
Terás o meu apoio, seguindo teu andar.
T: E seguiremos juntos, sempre juntos,
com grande amor que vem dos altos céus.
Sempre oraremos juntos, sempre juntos,
dedicando as nossas vidas a Deus!
 
M: Fiéis em nosso lar, a Deus vamos seguir.
Ele há de nos guardar dos males que hão de vir.
H: Segura a minha mão e pela escuridão,
Deus mesmo nos conduz, pois Ele é nossa Luz!

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Amigo é pra se guardar dentro do coração





0034- Canção da América  
 
Amigo é coisa pra se guardar debaixo de sete chaves,
dentro do coração,
assim falava a canção que, na América, ouvi.  
 
Mas, quem cantava, chorou ao ver seu amigo partir.
E quem ficou, no pensamento voou, com seu canto, que o outro lembrou.
E quem voou, no pensamento ficou, com a lembrança que o outro cantou.  

Amigo é coisa pra se guardar no lado esquerdo do peito,
mesmo que o tempo e a distância digam não,
mesmo esquecendo a canção...
O que importa é ouvir a voz que vem do coração.
 
Pois seja o que vier, venha o que vier,
qualquer dia, amigo, eu volto a te encontrar
qualquer dia, amigo, a gente vai se encontrar.

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Saudades

Pouquíssimos de nós não teria uma história para contar sobre o Valdemar ou uma palavra positiva para dizer a seu respeito.

Ele esteve no Grupo de Canto São Judas desde o seu começo. Conosco conviveu por 21 anos e soube como ninguém ir superando as dificuldades de um tempo tão longo de convívio... Digo como ninguém, porque sei de perto do seu temperamento, das dificuldades divididas. Sei bem o quanto se superou para que, no final, o que sempre vencesse fosse o seu amor por nós, o convívio amoroso e a sua permanência no grupo.

No grupo, fazia parte dos tenores e de uma “casta” criada por ele e por outro Valdemar, chamada “reba”. Brincava muito com o termo, que servia para denominar – no seu dizer – os que não têm voz para cantar e participam do grupo.

Nós somos a reba, querido amigo! Todos nós! E você vai fazer falta...

Não poucas vezes o ouvi dizer “olha, você fique certa de que posso deixar qualquer atividade, mas do coral eu não saio... você vai ter que me aguentar...”.

Assim fosse com todos, querido, esse “aguentar”...

Na paróquia, lembro-me dele muito antes do começo do coral... Lá pelos tempos do padre Zezinho, quando a São Cristóvão ainda era capela de nossa Paróquia. Quanta carreata ajudou a organizar com o Antonio!! E quanta história divertida para contar delas...

De uma simplicidade extrema, ele foi um cavalheiro, talhado pela sua vida árdua de trabalho. Poucas pessoas têm a graça de ter a sua elegância nata e a sua educação, coisas que não foram lapidadas pela universidade nem pela etiqueta social. Foram lapidadas pelo seu viver, pelo seu querer, pelo seu “se fazer”... Para os mais desavisados, poderia parecer que sua maior característica era a teimosia de “espanhol”, como gostava de brincar... Mas eu bem sei que sua maior característica era a doçura de alma, a amizade pura e desinteressada, a fidelidade extrema aos amigos, o respeito aos clientes-amigos que soube conquistar, a gratidão imensa e sincera até por uma palavrinha dada.

Sei que viveu, nas últimas semanas, um pouquinho do que Jesus vivenciou no Horto, antes da crucificação. Sei também que, como Cristo, enfrentou com coragem tudo o que não queria. E tenho a certeza de que, com Jesus, está ressuscitado, na glória do Pai.

Quando se está diante da morte, do inexplicável e imutável, só podemos encontrar luz para esse mistério na morte e ressurreição de Jesus e no imenso amor de Deus para conosco, que se manifesta por meio do outro, por intermédio daqueles que nos cercam.

Ainda estamos consternados e surpresos pela rapidez com que tudo aconteceu... você se foi, levando um pedacinho de nós e deixou uma marca indelével em nossos corações, para sempre.

Sempre nos lembraremos das suas histórias divertidas, da sua preocupação eterna com sua Maria Alice, seu amor e dedicação aos filhos e netos, sua doçura e ternura imensas com a princesinha Marina.

Sempre me lembrarei da sua perseverança em estar entre nós, apesar de...

Felizes somos todos que, deixando de lado os desencontros, às vezes os desamores, sabemos nos unir para continuar partilhando a vida no que ela tem de mais belo e mais lindo: o encontro de almas, a vida dividida nas alegrias e nas tristezas, o carinho do apoio e a gratidão eterna por tudo quanto vivido junto.

 É a lição que você me ensinou, é o pedacinho seu que fica em mim...

Que o Senhor nos ajude a superar sua perda com renovada esperança na vida eterna e que seu exemplo de vida seja por nós honrado e jamais esquecido.

Aquele feixe de luz que liga céu e Terra durante os louvores a Deus, durante as missas, seja o fio que nos une desde sempre e para sempre.

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Até sempre, amado amigo!

Anteontem era dia de comemorar 21 anos de existência do grupo e a vida nos convocou para uma despedida de um dos nossos membros - Valdemar querido!...
 
E nas grandes horas da vida as palavras ficam tão pequeninas, só o coração fala e ele não precisa recursos... sente, sente de novo, suas emoções chegam à memória que reacende tantas lembranças.

Eu tenho um tempo curtíssimo entre todos vocês, mas foi o suficiente para conhecer em minha alma as delicadezas e alegrias do amigo querido.
Educadíssimo, generoso, respeitoso, preocupado e amoroso. Sempre cumprimentou de pertinho, aperto de mão e beijo. Quando percebia qualquer diferença no semblante da gente, chegava e perguntava ou dizia algo para se aproximar. Mantinha sempre uma postura altiva e cheia de gestos elegantes desde o ato de dar as mãos até o modo de posicionar o corpo digno em seu lugar, de onde a maior aproximação era dos olhos e do coração...

Desde o dia em que minha mãe passou pela mesma cirurgia que ele fez - ela em janeiro desse ano - não houve uma só vez em que ele não perguntasse sobre ela. Quando eu não tinha sequer energia para pensar em outras coisas, seu carinho foi sempre presente e amoroso, e tão bom sentir assim quando estamos cansados... ele havia nutrido um laço com ela por causa da carona oferecida por uma amiga através dos serviços de taxista por ele prestados. E assim era e agia com seus tantos clientes-amigos.

Minha vontade anteontem era de colocar todo mundo no meu colo. Sua família, seus amigos da vida, os nossos do coral, os companheiros da igreja, os seus clientes, todos sem distinção.
Testemunhar o sofrimento das pessoas não é qualquer coisa. Mas é preciso dizer que se perdemos uma festa aqui, certo que vivemos uma celebração muito maior ao longo da vida! Uma só noite não dançamos, comemos e bebemos juntos, mas temos a honra de poder celebrar os anos de convívio com um ser humano de muito valor e isso é festa do céu. Festa que não termina jamais!

Na dor, hora tão dura, colocamos nosso agradecimento a Deus por tudo que tivemos em vida com ele e por causa dele, e o desejo de termos sabedoria para eternizá-las, para continuarmos cantando as graças que recebemos e essa coragem tão linda, vista a partir do Amor, de cantarmos até o fim, quando não há forças humanas e só Deus nos sustenta...

Que tenhamos a confiança extrema, Senhor, que dessa convivência finita, caminhamos para a Sua Eterna Presença, para seu Amor Infinito onde somos e seremos os mais ternos Amigos, na graça da partilha que o Senhor nos deu! Que tenhamos presentes seus gestos e sua ternura de esposo, pai, avô e amigo... admirável comprometimento, admirável amor!
 
Até sempre, amado amigo! Cante conosco as bênçãos que Ele nos deu e ajude-nos a olharmos mais longe... amando-nos sempre desde aqui!
 
Cláudia

domingo, 25 de agosto de 2013

Valdemar

Tem momentos na vida que nenhuma palavra é capaz de expressar o que vai na alma...
Vivenciamos nova perda, nova dor...
O Valdemar, nosso querido amigo-irmão, canta agora no coral do céu.
Não mais o ouvirei pedir novamente o Aleluia, música que adorava cantar e que talvez tão bem reflita a sua essência e existência.

O Aleleuia de Handel foi uma aventura divertida e empenhadíssima que fizemos...
Na nossa rudeza e falta de conhecimentos musicais, na simplicidade, entusiasmo e empenho, nos atrevemos a louvar a Deus certamente do jeito mais difícil, musicalmente falando, disponibilizando tudo o que éramos capazes de fazer...

Assim foi nosso querido em vida também...
Alma simples, jeito lapidado pela vida e pelo árduo labor, um cavalheiro à moda antiga...
Apaixonado pela música, mesmo com as limitações de todos nós amadores, estava sempre em busca de aprender mais... Então procurou em outros grupos musicais, o que nos faltava aqui... E assim dividiu com outros mais a sua gentileza, a sua simplicidade, o seu bem-querer às coisas de Deus, sua disponibilidade e prontidão para o que quer que fosse chamado...

Sentirei demais sua falta, querido!
Nunca mais o "coral da tosse", como você se divertia em dizer, será o mesmo...
Celebraremos hoje os nossos 21 anos de existência em uma missa de ação de graças, em profunda tristeza pela sua ausência, mas na mais renovada esperança de que você está em plena felicidade e, conosco, celebra em Deus nossa existência de grupo.
Chame a turma que já está aí, se é que não estão todos juntos ainda... Junta a "reba"...
Dá pra gente um pouquinho da alegria que vocês têm aí, porque aqui, hoje, está difícil ...

Saudade imensa, querido!

Você sempre esteve certo de que o nosso Aleluia era lindo! É verdade, era e sempre será.
Ele foi feito de  desencontros, desafinos, descoordenações, mas, acima de qualquer coisa, de doação, partilha, alegria, amor e, claro, ... tosse!
Isso nunca nos será tirado e sempre será parte de nós.
Felizes somos todos que, deixando de lado os desencontros, às vezes os desamores, sabemos nos unir para continuar partilhando a vida no que ela tem de mais belo e mais lindo: o encontro de almas, a vida dividida nas alegrias e nas tristezas, o carinho do apoio e a gratidão eterna por tudo quanto vivido junto.
É a lição que você me ensinou e o pedacinho seu que fica em mim...

Por achar que nunca foi bonito o que conseguimos realizar ao cantar o Aleluia, esse vídeo ficou guardado com o Edwin... Trata-se de um ensaio em 13/9/2005.
Assistindo-o, penso que Handel deve ter ficado orgulhoso de nós, de verdade...
Tão orgulhoso quanto eu fico, quando vejo meu netinho já começar a falar "angu"... Ele ainda não está falando nada, mas me alegra em profundidade o coração...
Tudo tem seu lugar...

O essencial é mesmo invisível aos olhos... só o coração pode ver.

Prá você, onde estiver!
Nós o amamos muito e isso é para sempre!

(Se você quiser ouvir a música com mais ambiência, coloque um fone de ouvido na saída da caixa de som, vale a pena)

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Dia comprido...

Ontem vivemos um dia muito intenso e de vivências contrastantes...
Mal o dia começou e vem o telefonema com a notícia do falecimento do Teté, filho do Sr. Acir... Difícil assistir a notícia ser dada a ele... Imensamente triste, especialmente porque um acontecimento totalmente inesperado... Teté não estava doente, ninguém sequer sabia que tinha ido sozinho para o hospital...
Como confortar um pai que perde o seu terceiro filho?
Primeiro Zizi, há pouco Verinha e agora Teté... Sem poder contar com a doce Jaci...
Nada há a fazer, nada há a dizer, só estar...
E apesar de tanta dor, vi imensa fé... Lição para a vida toda...

De tarde, avó em ação... Plenitude de ternura e amor...

Mais à noite, nossa apresentação na Igreja Santa Rita.
Momentos suaves e sublimes...
O que dizer do Coral Unimed, sob a batuta da Regina Damiatti? Incrivelmente lindo, não somente pelas músicas apresentadas, harmonia, arranjos e apresentação impecáveis, mas por tudo quanto carrega consigo: cidadania, pura transfiguração. Indescritível!
E a cada apresentação, a certeza de que a música é um poderosíssimo instrumento para construir laços, formar família...
Para nós, uma das melhores apresentações que já pudemos fazer. Emocionante ver as pessoas em pé, aplaudindo... Emocionante a expressão de cada um de vocês, dando o melhor de si e completamente empenhados em cantar sem errar, por estarem sem folheto... Juro que essa "ginástica para os neurônios" que vocês fizeram produz milagres, não só para a memória... podia mesmo sentir os "fiozinhos" da alma de cada um ligadinhos à minha... Tão queridos!

O dia terminou com uma prolongada conversa com o Sr. Acir, no velório...
Inúmeras histórias - dos filhos, da família - árvores genealógicas imensas descritas, com intermináveis nomes e ligações familiares... Grande memória! Imensa ternura... Quanta fortaleza! Doce avozinho...

Vim pra casa refletindo sobre os acontecimentos, pensando na fragilidade da vida, em quanto tempo perdemos, às vezes, atrás do vento, daquilo que passa... Pensando também sobre a imensidão da dor diante de uma perda... E sobretudo, como é importante a presença de amigos-irmãos na vida, para que ela não perca o sentido, para que ela se salve...

Dia comprido, pleno de encontro, de amorosidade - na dor e na alegria...
Deus só!





terça-feira, 6 de agosto de 2013

O que te faz bonito...

Fico sempre apaixonada quando vejo o que é possível fazer com um único instrumento!
O vídeo que se segue deixa lições e lições de como, rompendo com as amarras do que está posto como única forma de produzir algo (no caso um som), é possível estar em unidade, usar a criatividade e gerar imensa satisfação.
Simplesmente apaixonante e vibrante!
Isso sem contar que fiquei bem pensando que, como uma música pulsante, a vida bem vivida e partilhada se resume sempre em saber somar para realizar, saber perder para congregar e se entregar incondicionalmente para gerar alegrias e afetos.

Vejam por vocês mesmos.



quinta-feira, 18 de julho de 2013

Cantar e cantar... Dia 14/8, na Santa Rita

Queridos

como ficou resolvido no ensaio, no próximo mês estaremos participando das celebrações da Semana da Família, lá na Igreja Santa Rita.
Como o tempo é curto, apresentaremos o que já temos pronto para os casamentos.
Segue-se as músicas que vocês precisam ficar "afiados".
Espero que no próximo ensaio a gente já esteja com tudo afinadíssimo.

Um abraço e um beijo a cada um, especialmente pela partilha, empenho e entrega de cada dom.


408 - Pompa e Circunstância (Entre aqui para ouvir)
584- Além do Arco-Íris (Entre aqui para ouvir)
593- A estrela (Pinóquio) (Entre aqui para ouvir)
871- Creio em Ti! (Entre aqui para ouvir)

quarta-feira, 17 de julho de 2013

Creio em Ti!

Sopranos


Contraltos


Tenores


Baixos

terça-feira, 16 de julho de 2013

Pompa e Circunstância

Sopranos


Contraltos


Tenores


Baixos

segunda-feira, 15 de julho de 2013

domingo, 14 de julho de 2013

Além do arco-íris


Sopranos


Contraltos


Tenores


Baixos

sábado, 6 de julho de 2013

Ai, ai! Vovó feliz!


Obrigada a cada um, pelas palavras carinhosas, pelos telefonemas, pelas orações, pela partilha e companhia de alma e coração.
Compartilho nossa alegria com vocês. Apresento-lhes o Mateus, tão amado e esperado.



quarta-feira, 3 de julho de 2013

A pausa


Na pausa não há música, mas a pausa ajuda a fazer a música

Na melodia da nossa vida a música é interrompida aqui e ali por "pausas’...
E nós, sem refletirmos, pensamos que a melodia terminou.
Deus nos envia, às vezes, um tempo de parada forçada.
Pode ser uma provação, planos fracassados, ou esforços frustrados...
E faz uma pausa repentina no coral de nossa vida.
Nós lamentamos que a nossa voz tenha de calar-se, e tenha de faltar a nossa parte na música que sobe até aos ouvidos do Criador.
 
Mas como é que o maestro lê a pausa?
Ele continua a marcar o compasso com a mesma precisão e toma a nota seguinte com firmeza, como se não tivesse havido interrupção alguma...
 
Deus segue um plano ao escrever a música de nossa vida.
A nossa parte deve ser aprender a melodia e não desmaiar nas "pausas".
Elas não estão ali para serem passadas por alto ou serem omitidas, nem para atrapalhar a melodia ou alterar o tom.
Se olharmos para cima, Deus mesmo marcará o compasso para nós.
Não nos esqueçamos, contudo, de que “ela ajuda a fazer a música”.
Com os olhos Nele, vamos ferir a próxima nota com toda a clareza sem murmurarmos tristemente: “Na pausa não há música”. 
 
Compor a música da nossa vida é geralmente um processo lento e trabalhoso
Com paciência, Deus trabalha para nos ensinar!
E quanto tempo Ele espera até que aprendamos a lição!

Lembre-se, a pausa não dura muito
Ela apenas serve para continuar a música!!!



segunda-feira, 1 de julho de 2013

Cântico espiritual - Ir. Miria Kolling





417- Cântico Espiritual

1. Buscando meu Amor, meu Amado,
vou por montes e vales, sem temer mil perigos.
Nem flores colherei no caminho,
pois segui-Lo é preciso sem deter-me ou parar !

Já não tenho outro oficio: só amar - o exercício !
Solidão povoada, presença amorosa do Amado !
Viver ou morrer sem Ele eu não quero ser !

2. Mil graças, derramando, Ele passa
Lhe descubro as pegadas,
Vôo, alcanço o infinito !
Oh ! Fonte, luz dos olhos, guarida,
nosso encontro esconde o segredo do amor !

3. No gozo deste amor só desejo
os abraços e beijos do Senhor, meu Amado !
Se acalma, já em paz, a minh'alma:
Deus em mim e eu Nele, tudo é festa sem fim !

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Despedida do coral


Queridos amigos,

Como vocês já sabem, estou deixando o coral.  Depois de quase vinte anos, questões pessoais me levam a tomar essa decisão. 

Quero deixar aqui publicado o meu enorme agradecimento a todos vocês que, durante todo esse tempo, foram parte importantíssima da minha vida.  Foram muitos encontros, muitos eventos; o meu muito obrigada a cada um pela companhia sempre alegre e que muito enfeitou os meus dias.  Obrigada, particularmente, àqueles que me ajudaram tantas vezes a montar, desmontar e carregar a minha tralha. 

Foi algum tempo cantando e muito mais tempo tocando.  Peço desculpas pelos deslizes cometidos, que vieram a colocar em risco a apresentação do grupo.  Agradeço por terem tido paciência no princípio, quando me via totalmente despreparada para executar os acompanhamentos.  Obrigada, Marly, pela oportunidade, quando o Richard deixou vago o lugar.  Estudei piano mas não exercitava desde os tempos de criança e isso faz muito tempo....!!!

Quero agradecer também pela confiança depositada nas várias vezes em que me foi dada a incumbência de orientar o coral na ausência da Marly.  Foram sempre situações de muita tensão pra mim; ao mesmo tempo, uma grande satisfação em poder colaborar com o grupo, sendo solicitada a assumir tamanha responsabilidade.

“Só erra quem faz”, “errou, siga em frente”, “acolher é preciso”, “perdoar é fundamental”:  lições que aprendi no coral nestas duas décadas e que não serão esquecidas.

Esta não é uma despedida.  Moramos na mesma cidade, estaremos sempre nos encontrando aqui e ali.  Faço votos para que este grupo maravilhoso continue firme, sob a batuta carismática da Marly, encantando a todos quantos têm a oportunidade e privilégio de ouví-lo.

Abraços e um beijo carinhoso em cada um de vocês.

Luci

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Luzia, ah, essa Luzia...

Faceira.
Ela era a mais faceira da "turma da bagunça".
Inventava sempre um cabelinho novo, um colarzinho comprido, uma dancinha... e vinha toda, toda, revirando os olhinhos, fazendo charminho até chegar junto da gente.
E a gente, cativada, se desmanchava em elogios... e ela, ela ria...
Ah, esta Luzia!!!
Faceira, distribuía para nós, privilegiadas contraltos, sorrisos meigos, olhares "coquetes". De quem ama , de quem conhece.
Ela nos entendia.
Na tristeza e na alegria...
Ah, esta Luzia!!
Conosco aprontava, ria.
Mas do olhar atento da Marly, fugia.
Fugia da bronca, mas logo voltava a traquinagem e... ria.
Saudades de você, Lu, doce Luzia.
Saudades e amor imenso de todos nós.
Beijo na alma!

                                              Sueli

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Uma mulher simples...

Nossa tão amada Luzia cumpriu sua missão de amor neste mundo, voltou para Deus.
Encontrou sua Música mais original e canta agora com os anjos, louvando o Pai face a face.
Você foi cedo e rápido demais, para a nossa vontade, querida... Mas fica conosco a sua singeleza, sabedoria e simplicidade. Fica também um testemunho imenso de fé e esperança, sem esmorecer...
...
Saudades imensa, desde já!

Que nossa Mãe Maria, que você tanto honrou a receba em seus braços e possa ser consolo para os seus.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...