segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Vamos anotando

Estaremos com programação intensa nos próximos dias.
Anotem aí!


Dia 28 de setembro: novena de São Judas Tadeu com a relíquia de São Judas - 19h30

Dia 30 de setembro: Missa no Bosque da Comunidade, às 10h00.

Dia 12 de outubro, sexta feira: (Nossa Senhora Aparecida) - Matriz S. Judas - 19h30

Dia 20 de out, sábado: celebração do Jubileu/lançamento do livro - Matriz S. Judas - 19h30

Dia 28 de outubro, domingo (Dia de S. Judas) - 19h30 (Não haverá missa no Santuario)

domingo, 9 de setembro de 2012

Quem sabe...

Uma música linda e suave para descansar o corpo, a mente, a alma.
Quem sabe ela nos conduza ao Coração.

 

André Rieu
Love theme from Romeo & Juliet


sexta-feira, 7 de setembro de 2012

A nossa maestrina

 
Pena que nunca se registre,
para além do que podemos na mémória guardar,
o corpo que balança e se agita,
se contorce e nos conquista na dança do cantar.
 
Pena que nunca se registre,
pra além do que guarda a nossa frágil memória,
A glória do seu rosto inteiro:
 
Olhos, nariz, sorrisos,
Boquinhas e bocões,
Sombrancelhas, franjas e orelhas,
a conduzir nossas canções.
Ah, pena que nunca se registre,
seu todo, seu inteiro,
a reger nosso cantar.
a se despedaçar e se juntar,
qual música plasmada,
encantando encantada,
se derramando aos nossos ais...


Maria Sueli

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Versos para o Coral


Pelos caminhos eu subi ladeiras
Beirei os rios turvos, ribanceiras
Pisei espinhos, mas não vi a flor
Eu já cansada, quase desistia,
Então ouvi suas palavras enamorada
Bebi feliz na fonte da alegria
E de repente eu fiquei desperta
Meu coração bateu com muito mais vigor
Estar aqui, viver, sentir amigos
É encontrar o verdadeiro amor,
Levo nos braços, meus oitenta passos
Uma existência que me faz feliz
Em troca, deixo no caminho, o rastro
A luz, os versos para alguém que eu quis.

Ivone
 

terça-feira, 4 de setembro de 2012

As mãos da Maestrina

 Que força imensa
E que poder tão grande
Tem as suas mãos,
Que, em movimento leves,
Ágeis, tão suaves, emanam energia
Em nossa direção.

E recebemos seu recado
Diálogo entre irmãos
De amor é a mensagem
Que anima e reconforta,
Aquece o coração.

Sentimos que nossa alma
Suporta até a dor.
E nos transporta de joelhos
Aos pés do Criador.

Eu sei que Deus nos ama e ouve,
E a prece é repetida,
Pois somos nós guiados
Por suas mãos, querida.

Ivone F. de Souza - Abril de 2012
 

domingo, 2 de setembro de 2012

As mãos do meu pai

As tuas mãos têm grossas veias como cordas azuis sobre um fundo de manchas já da cor da terra 
Como são belas tuas mãos pelo quanto lidaram, acariciaram ou fremiram da nobre cólera dos justos...
Porque há nas tuas mãos, meu velho pai, essa beleza que se chama simplesmente vida.
E, ao entardecer, quando elas repousam nos braços da tua cadeira predileta, uma luz parece vir de dentro delas...
Virá dessa chama que pouco a pouco, longamente, vieste alimentando na terrível solidão do mundo, como quem junta uns gravetos e tenta acendê-los contra o vento.
Ah! Como os fizeste arder, fulgir, com o milagre das tuas mãos!
E é, ainda, a vida que transfigura as tuas mãos nodosas...essa chama de vida - que transcende a própria vida...e que os Anjos, um dia, chamarão de alma.

Enviado pela Lúcia, para ser publicado hoje.

sábado, 1 de setembro de 2012

Vou cantar Teu amor II

imagem do google


Nos bastidores da preparação do Festival e do Jantar pelos 20 anos, ou mesmo enquanto a festança acontecia no terceiro dia de comemoração, em que ensaiamos e comemos ainda o pão do milagre (quanta multiplicação!), outras coisas, que chamarei de detalhes muito importantes, aconteciam...

Tinha aquela pessoa que enfrentava uma situação desafiadora na alma, procurando manter o espírito altivo, apesar de. A outra que, humilde, oferecendo seu tudo, fez um bem maior do que poderia imaginar; tinham os nossos ‘doentes’, que por estarem já ausentes afetavam nossa emoção, porque nada é tão pleno onde falta um membro do corpo...

Tinha a pessoa animada, comunicativa, que tanto nos alegra, a enfrentar os problemas de saúde em sua família, tão sérios, meu Deus... participando o tempo inteirinho! E os que tem um filho especial, solicitando permanente presença e que manifestou clara irritação com tanta repetição das músicas que a mãe ensaiava... pudera, que judiação! risos...
 
Tivemos muitos que não puderam ser presentes fisicamente, mas que souberam se fazer presentes pela delicadeza de respeitar as decisões tomadas e seguí-las, ou pela atenção dispensada nas horas em que puderam estar junto. Tivemos os que lutam internamente para superar perdas profundas e, para os quais, a alegria é, na maioria das vezes, mais um esforço do que um sentimento presente inteiramente. E a que precisou viajar na última semana e nos deixou o coração e, além disso, postergou seu descanso ao chegar da viagem para estar conosco em qualquer situação.
 
Mais aquela, que enfrentava sensações febris decorrentes do tratamento de um câncer, mas que estava ali, bonitinha, animada mais do que podia, ajudando-nos em todos os momentos, não somente com suas atitudes colaboradoras, mas com aquela carinha de quem faz unidade e pronto, simples assim! E os que vão na valsa sem perceber muito a canção, pela idade, pelo desligamento ou por outros chamados que a vida faz, e vão... e, embora menos visíveis, não posso esquecer os que, sozinhos, são o esteio do bom humor em seus lares e que se nutrem do coral, para fortalecerem a caminhada...

Houve também, isso eu vi muito nitidamente, aquele que ‘voltou a andar’ quando sentiu-se motivado a ser o animador do Festival... quantas vezes faltou, sem força física pra ensaiar; quantas vezes, durante os últimos ensaios, permaneceu sentado porque não havia muita força ou equilíbrio para levantar... mas ergueu-se com a voz vibrante por causa do sentido... tão bonito, meu Deus, no apoio silencioso da esposa, que aos poucos recobrava brilho no rosto ao ver melhorar seu querido...

Já que vim falar, vou me incluir e me dizer, que também enfrento os meus dias... administrei as preocupações com minha mãe, que breve passará por uma cirurgia; vivi a tristeza de saber sobre um ex-paciente que ‘escolheu’ um tristíssimo caminho; acompanhei histórias profundas, difíceis, que nem posso contar e me dediquei com alegria a viver com as meninas o que posso chamar de vivência fraterníssima...  Organizar tudo com vocês foi bálsamo suave nos dias e, pra depois do cansaço, o descanso que não se conquista em qualquer condição - a paz sentida! Impossível descrever...

Soube, durante o jantar, que alguém havia perdido em ente muito querido, mas estava lá, somando seus pedacinhos conosco o tempo todinho... e, se podemos juntar pedaços de amor, generosidade, empenho, pra que perder tempo com coisas de menor valor? Vamos seguir em frente!

Há aqui nomes declarados, outros em sigilo, há coisas conhecidas, outras escondidas e a intenção não é mesmo expor pessoas, mas fazer ver pela cortina QUANTA VIDA EXISTE! QUANTO VALOR!

Sim! Por isso, na sexta-feira do festival, quando vi um dos grupos, lá no fundão, de braços erguidos, movidos pra nos acompanhar na canção, deu uma vontade imensa de chorar esse Vale-a-pena imenso! Não fui só eu quem sentiu essa imensidão... muitos exclamaram a mesma surpresa, a mesma emoção...

Estive pra dizer pra regente que, falando a mais pura verdade, ouvir tanta gente cantando, ver seu esforço conosco desde o início, ver seus filhos chorando no corredor lateral, foi pra acabar... Como cantar??? A gente bem que tentou, hahahah!

É por isso também que, quando fui oferecer bolo aos membros de um dos corais, que saiam antecipados por causa de outro encontro e vi neles a delicadeza de quem canta com tanta técnica, acolhendo a nossa simplicidade... estava valendo, tudo estava valendo!

Da própria Marly, eu ouvi sobre os carinhos que as pessoas lhe disseram nos ouvidos, gente que faz de um tudo para facilitar, fortalecer, animar... gente que ama simplesmente; e o velhinho correndo feito criança feliz para abraçá-la, pessoas delicadíssimas, mas firmes, apoiando-a com olhares, palavras, e tanto mais!
 
É, muita gente vê tudo isso. E é isso que faz valer de verdade. Essa força silenciosa de gente que dá o melhor que pode dar. Que não dá atenção pro que divide. Que procura somar! É por esses silenciosos sofrimentos, pelo discreto amor, por uma força maior que supera as barreiras, pelo que transcende a vida, ultrapassa a dor, pelo melhor, que tudo vale a pena.

Quero agradecer especialmente pelo carinho de todo mundo. Pelo que pude testemunhar. Pelos esforços profundos de cada um, pela alegria que fazem junto, pelo que me permitem apreciar.

Obrigada, Marly querida, porque isso é Vida. É a força de amor do Espírito Santo que faz a música chegar bonita nos ouvidos, como você sempre nos diz! Você nos rege nesse Sentido muito bem! Gracias também!
 
Sabendo dessas coisas que eu acabei de contar neste texto, e conhecendo que há tantas mais na vida de cada pessoa, que sequer podemos imaginar, eu sinto que Deus deve sorrir esse riso emocionado que sorrio e tudo que me vem ao pensamento é que Ele ouve a música escondida! Tudo será consolado!

Valeu e vale a pena, concordam?
Será que, por isso, uns coralistas lindos nos cantaram essas palavras nos ouvidos?
Hummm, entendi tudo!
Beijo nos corações e um lindo final de semana.


 


Essas imagens foram encaminhadas pelo José...
as belezas individual e coletiva... grande resposta!


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...